Cidade do Acre enfrenta crise migratória na fronteira com Peru e decreta estado de calamidade pública

Imigrantes haitianos, africanos e sul-americanos ocupam a Ponte da Integração para alcançar a rodovia Pan-Americana na esperança de seguirem para os Estados Unidos e Canadá

A prefeitura de Assis Brasil, no Acre, decretou estado de calamidade pública em virtude da crise migratória que o município enfrenta em sua fronteira com o Peru. Imigrantes haitianos, africanos e sul-americanos ocupam a Ponte da Integração, que liga o Brasil e o Peru, para alcançar a rodovia Pan-Americana na esperança de seguirem para outros países como Estados Unidos e Canadá. A fronteira com o Peru, porém, está fechada desde março de 2020 por causa da pandemia do coronavírus. Segundo o governo do Acre, o grupo é formado por mais de 450 pessoas. O decreto de calamidade pública, assinado pelo prefeito Jerry Correia Marinho, foi publicado nesta quinta-feira, 18, no Diário Oficial do Acre.

A crise migratória preocupa as autoridades, que veem os casos de Covid-19 crescerem em Assis Brasil. O município, de 7.534 habitantes, tem 996 casos confirmados da doença. “Há uma necessidade urgente de aquisição de insumos para garantir, enfrentar, combater e auxiliar as necessidades tanto dos profissionais inseridos na logística que demanda o caso, bem como para a prestação de ajuda aos estrangeiros que estão alojados na escola do município, em espaços públicos”, justifica Marinho. A prefeitura de Assis Brasil ofereceu duas escolas como abrigo para os imigrantes, mas a maior parte do grupo segue sobre a ponte.

O estado vem enfrentado um período chuvoso, com cheias no Rio Acre. Além de impedir o uso de transporte fluvial para chegar até o Peru, a cheia dos rios representa uma ameça de novos períodos de alagamentos no Acre. O governo do estado afirmou nesta quinta que o governador Gladson Cameli, junto com a bancada federal junto do Congresso Nacional, estão negociando com o Ministério das Relações Exteriores para uma possível abertura de fronteiras por parte do Peru.

Deixe um comentario