Justiça da Espanha aumenta pena de rapper catalão que criticou a monarquia

Pablo Hasél também está sendo acusado de ter ameaçado uma testemunha; prisão do músico gerou uma onda de protestos no país

A Justiça da Espanha aumentou nesta quinta-feira, 18, a pena de prisão do rapper catalão Pablo Hasél. Inicialmente, ele foi condenado a nove meses de prisão por letras que contém ofensas à monarquia e referências ao grupo terrorista basco Euskadi Ta Askatasuna, mais conhecido pela sigla ETA. Agora, ele está sendo condenado a um total de 2 anos e 6 meses de prisão por também ter ameaçado uma testemunha em 2017. Segundo as autoridades espanholas, Pablo Hasél teria ameaçado de morte um homem que depôs durante um julgamento contra a prisão de dois policiais, confrontado ele em um bar e divulgado sua foto.

A prisão do rapper nesta terça-feira, 16, causou dois dias de protestos violentos na cidade de Barcelona em que ao menos 50 pessoas foram detidas. Os manifestantes defendem que a acusação contra Pablo Hasél representa uma ameaça à liberdade de expressão no país. A Espanha, por sua vez, afirmou que pretende mudar a lei que criminaliza os insultos à monarquia e as glorificações de grupos armados como o ETA. A ideia é que as penas para esses crimes se tornem mais leves e só sejam passíveis de ação legal caso representem um risco à ordem pública.

Deixe um comentario