Onda de frio persiste a agrava crise no fornecimento de energia nos EUA

Além disso, as baixas temperaturas também podem prejudicar a entrega e distribuição de vacinas contra a Covid-19

As baixíssimas temperaturas que atingem o Texas, nos Estados Unidos, provocam uma crise no setor de energia.  Empresas executam apagões contínuos para evitar que as redes fiquem sobrecarregadas com o aumento do uso de aquecedores pela população. O governador do Texas, Greg Abbott, emitiu uma ordem exigindo que os produtores vendam seu gás natural para geradores de energia no estado. Operações de refinarias e campos de petróleo e gás foram paralisadas, causando impactos no vizinho México. Mais de 4 milhões de barris diários, quase 40% da produção de petróleo dos Estados Unidos, deixaram de ser produzidos nos últimos dias.

Além do corte de energia, centenas de milhares de moradores sofrem com a perda de pressão da água. Sem água e aquecimento, pacientes de um hospital da capital Austin tiveram de ser transferidos. Mais de 30 mortes relacionadas ao frio foram contabilizadas, a maioria causadas por acidente de trânsito. Uma mulher e uma menina morreram de envenenamento por monóxido de carbono depois de ficarem dentro do carro em uma garagem com o motor ligado para se aquecer.

O presidente Joe Biden adiou para esta sexta-feira, 19, uma visita ao local de fabricação da vacina da Pfizer em Kalamazoo, no Michigan. O Coordenador de Resposta ao Coronavírus da Casa Branca, disse que o tempo frio está afetando a entrega e distribuição das vacinas. O Serviço Meteorológico Nacional alerta que recordes de frio poderão ocorrer até a manhã de sábado. Áreas do sul e leste dos Estados Unidos, do Texas ao estado de Maryland, devem ficar entre 20 e 30 graus abaixo do normal.

*Com informações da repórter Lívia Fernanda 

Deixe um comentario