Riscos da obesidade e como realizar a cirurgia bariátrica pelo SUS

A intervenção cirúrgica custa entre R$ 20 mil e R$ 40 mil e, por isso, é bastante procurada na rede pública de saúde; saiba quais são os requisitos para se habilitar e por onde começar

Obesidade é uma doença crônica de origem metabólica, caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura no corpo. A Organização Mundial da Saúde estima que, no mundo, mais de 2 bilhões de pessoas sejam obesas ou estejam com sobrepeso. No Brasil, um em cada quatro adultos estava obeso em 2019. Os casos mais que dobraram no país em 17 anos. A doença tem múltiplas causas, como predisposição genética, alterações hormonais, distúrbios psicológicos, sedentarismo e maus hábitos alimentares. E, além de comprometer a qualidade de vida, é fator de risco para outras doenças, como problemas cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão e a própria Covid-19.

O diagnóstico pode ser realizado através do cálculo do Índice de Massa Corporal, que nada mais é do que o peso dividido pela altura elevada ao quadrado. IMC entre 25 e 30, significa sobrepeso. E, a partir de 30, já indica obesidade. Em quadros mais leves, primeiro são indicadas a reeducação alimentar e a prática de exercícios. Se não surtir efeito, a cirurgia passa a ser uma opção. Nos casos mais graves, o procedimento pode ter indicação imediata. Para quem não tem plano de saúde, a cirurgia custa entre R$ 20 mil e R$ 40 mil. Se o paciente não tem condições, pode recorrer ao SUS . Mas, para isso, é preciso atender a alguns requisitos, como apresentar IMC entre 40 e 50 ou a partir de 35 se houver alguma comorbidade.

Quem estiver dentro do perfil, deve marcar uma consulta em alguma unidade pública de saúde. Depois, é preciso aguardar na fila. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, Fábio Viegas, o tempo de espera é uma das principais queixas dos pacientes. “É uma espera elevada, uma espera longa. Hoje, no Rio de Janeiro, você tem uma espera de mais de 10 anos, aproximadamente. São mais de 5 mil pacientes aguardando na fila. Muitos pacientes morrem aguardando a cirurgia. Isso deve ser combatido com o aumento do número de serviços do SUS no Brasil. Meu aconselhamento, nesse momento, como profissional de saúde, como médico, tentem fazer algum tipo de atividade física e tenham uma alimentação mais saudável. Isso é fundamental para a saúde como um todo”. Tá Explicado?

Gostaria de sugerir algum tema para o programa? É simples. Encaminhe a sugestão para o e-mail [email protected] e escreva Tá Explicado no assunto. Participe!

Deixe um comentario