Dr. Jairinho e mãe de Henry Borel são presos pela morte do menino

Vereador do Rio de Janeiro teria sido autor de chutes, socos e pontapés que motivaram o óbito da criança

O vereador Dr. Jairinho (Solidariedade), padrasto do menino Henry Borel, morto há um mês, foi preso ao lado da mãe da criança, Monique Medeiros, por envolvimento direto no crime. Eles estavam na casa da mãe de Monique em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro. De acordo com as investigações, a criança de quatro anos foi morta com chutes, socos, pontapés e outros tipos de agressões cometidas pelo padrasto. A mãe estaria ciente dos frequentes crimes, mas escondia do pai do menino e do resto da família. O casal foi levado ao 16ª Delegacia Policia, na Barra da Tijuca. Dr. Jairinho é acusado por duplo homicídio por motivo torpe. Henry Borel foi morto no apartamento em que morava com a mãe e o padrasto no dia 8 de março, também na Barra.

Os laudos cadavéricos do corpo da criança não confirmam a versão da mãe e do padrasto de que ela teria se machucado ao cair da cama. De acordo com o documento, as contusões não seriam compatíveis com uma queda leve. As investigações indicam frieza da parte de Dr. Jairinho por atitudes tomadas ainda no hospital e também no trato com a família da criança. Monique Medeiros teria ido, logo após o enterro, ao salão de beleza retocar as unhas, cabelo e maquiagem. Além disso, uma babá da criança está sendo investigada por crime de falsa informação ao dizer, em depoimento, que jamais teve conhecimento de agressões ao menino. O celular dela foi apreendido e foi confirmado que ela já sabia da ocorrência desde fevereiro. Investigadores querem descobrir se ela foi coagida ou pressionada.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga

Deixe um comentario