Endometriose, que atinge 10% das brasileiras, é reconhecida como problema de saúde pública

Organização Mundial da Saúde reconhece gravidade da doença na última semana; médico explica formas de prevenção para mulheres

Durante vinte anos, a analista de compras Cristiane Rodrigues Palácio sofreu com cólicas e dores abdominais. Foi apenas em 2004 que ela descobriu o motivo: a endometriose, uma doença no tecido que reveste a parte interna do útero. Desde então, Cristiane passou por quatro cirurgias. “Eu suspeitava que tinha alguma coisa errada porque desde que eu menstruei pela primeira vez eu tinha dores absurdas. Incapacitantes, mesmo. De não conseguir me mexer. E meu fluxo era muito grande”, afirma. Assim como a Cristiane, milhões de brasileiras também têm suas vidas e suas rotinas impactadas pela endometriose. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a doença afeta cerca de 10% das brasileiras, a maioria entre 25 e 35 anos de idade. Além das fortes dores, a endometriose também pode provocar a infertilidade em até cinquenta por cento das mulheres que têm a doença.

Justamente por essa série de consequências, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu na última semana a endometriose como um problema de saúde pública. O ginecologista Maurício Abrão, um dos maiores especialistas sobre o assunto, afirma que esse passo dado pela OMS ressalta a importância de se desenvolver políticas públicas voltadas para a doença. Segundo ele, criar um centro de excelência da doença e melhorar a capacitação dos profissionais para detectá-la são pontos importantes para ajudar a combatê-la no Brasil. A endometriose pode ser diagnosticada com exames clínicos ou de imagem, mas suas causas são multifatoriais. Uma delas é a chamada menstruação retrógrada, que ocorre quando o sangue que contém células endometriais flui de volta para as trompas e para a cavidade pélvica durante o período menstrual. A imunidade também pode ter relação direta com o problema. Por isso, a principal recomendação do ginecologista Maurício Abrão para prevenir a doença é cuidar da saúde como um todo. “Exercício físico aeróbico é uma questão barata e uma das melhores prevenções que se pode ter. Cuidado com o stress, cuidado com o emocional”, afirmou. O tratamento da endometriose é feito geralmente com hormônios para tratar os sintomas, ou então por meio de cirurgias.

*Com informações da repórter Nicole Fusco

Deixe um comentario